Header Ads

Salmo 132: Deus Não Esquece a Promessa

 
“O Senhor escolheu Sião, com o desejo de fazê-la sua habitação: 'Este será o meu lugar de descanso para sempre; aqui firmarei o meu trono, pois esse é o meu desejo'.” Salmo 132:13-14

 Uma das histórias mais fascinantes sobre um homem em sua busca de Deus é a meu ver, a de Lutero. Viajando de carruagem em meio a uma tempestade feroz, e temendo por sua vida ao ver uma árvore ferida por um raio, Lutero propôs que se Deus o poupasse, ele desistiria de estudar o Direito e ingressaria no Seminário. Tendo a vida poupada, Lutero ingressou no Seminário e se tornou monge. Apesar disso, sua alma era marcada não pelo apreço a Deus, mas pelo medo, ou quem sabe, até mesmo por uma repulsa a Sua pessoa. Como poderia Ele amar a um Deus que era tão santo e justo e aparentemente tão distante do pecador? Em sua busca de encontrar o afeto e aceitação divina Lutero se submetia a certas torturas, como jejuns prolongados, noites de sono sobre o chão frio, flagelações, só para citar algumas. Mas ainda assim, o medo não desaparecia e não se via sob o favor e a graça de Deus. Cumprindo uma penitência enquanto subia de joelhos os degraus da Escada de Pilatos, em Roma e beijando cada degrau enquanto subia, em certo momento de sua jornada, pereceu ouvir uma voz forte que dizia: "O justo viverá pela fé". Isso fez com que saísse em disparada, confuso sobre seus próprios atos. Em certa fase de sua vida teria escrito: "Minha situação era que, apesar de ser um monge impecável, eu me punha diante de Deus como um pecador perturbado por minha consciência e não tinha confiança de que meus méritos poderiam satisfazê-lo". E foi apenas depois de se achegar as Escrituras e ler os Evangelhos, que Lutero percebeu a mais preciosa das boas novas: A de que bem antes de suas tentativas humanas de trazer Deus a ele, Deus mesmo já havia dado o primeiro passo em sua direção, por meio de Sua obra em Cristo. E à luz da experiência de Lutero penso que em muito o Salmo 132 nos ensina sobre a boa disposição de Deus em se aproximar de Seus filhos amados, ainda que muitos disso duvidem.

I


O salmo 132 é destacado como um dos diversos "salmos de romagem" do saltério,  sendo assim um daqueles cânticos de Israel adotados para a ocasião das festas anuais em Jerusalém. E neste, o tema gira em torno de uma petição ou intercessão a Deus pelo cumprimento das promessas feitas a Davi e sua dinastia, rogando que estas se cumpram, para o bem de Seu povo e da própria casa de Davi. Um verso neste salmo (v 12) me deixa sugerir que seja uma oração proferida por um rei ou pelo menos, por licença poética, por um cantor que ao compor seu salmo, usa em sua fala, uma personificação do rei. Em minha análise reflexiva, também percebo que o salmo se compõe de três partes, e cada uma delas repletas de lições grandiosas acerca de Deus e Seu devido lugar na vida daqueles que o servem de todo o coração.

No começo, já se expõe o sentido da oração: "lembra-te Senhor a favor de Davi" (v 01). É claramente revelado uma súplica para que o Senhor não apague de Sua memória não apenas as bênçãos prometidas, como também as lutas e esforços de Davi em favor de Sua causa. Seguindo essa leitura, do verso 01 até o verso 06, o salmista revela o apreço de Davi pelo Senhor. Numa descrição poética da experiência relatada no livro de 2Samuel 07, se expõe a razão do apelo para a memória de Deus: Se diz que ele, Davi, em certo momento de sua regência, decidiu que não descansaria os olhos nem subiria a seu palácio enquanto o Senhor estivesse em uma tenda, como em posição de desprezo aos seus próprios olhos e aos olhos do povo. O que Davi decidiu é que bem antes de cuidar de seus próprios interesses, cuidaria dos interesses do Senhor e traria Sua presença para uma lugar mais digno. Curiosamente, em resposta a Davi o Senhor lhe comunicou que nunca lhe pedira isso, e que mesmo antes de sua disposição de ofertar esse favor ao Senhor, Ele mesmo decidira que Sua presença seria permanente com Davi e sua casa, tornando Seu trono uma referência para o bem da nação de Israel. Como Lutero, Davi percebeu que é Deus quem sempre dá o primeiro passo. E esse é o sentido do salmo: Se é em função de uma promessa de Deus, a ansiedade do coração apenas pode implorar que apesar das falhas humanas e de sua incapacidade de realização, que Deus em Sua bondade, nunca se esqueça de Suas promessas e as realize, para o bem de Seus filhos.

No verso 07, se inicia agora uma segunda parte do salmo: Uma vez que o sonho de Davi se cumpriu, e a morada do Senhor está erguida, agora é o momento de invoca-Lo, rogando que Ele venha e entre em Seu repouso, o Seu tabernáculo: Ele e a arca de sua fortaleza (v 08). Alguns buscaram sugerir que este salmo retrata uma procissão de entronização, com a multidão em coro, conduzindo a arca ao santuário e solicitando ao Senhor que entre no lugar de Sua morada. Mas o que se descobriu de fato é que são apenas especulações com base na prática pagã dos cananeus, mas que em se tratando de Israel, não deixam registros históricos para comprovação desse costume. De modo que, considerando ser um texto poético, poderia ser também apenas um salmo de memórias, relembrando a ocasião em que Salomão trouxe a arca para o santuário, no dia de sua inauguração, retratada em 1Reis 08. Mas a verdade exposta não pode ser perdida de vista: A de  que se abrirmos uma porta de possibilidade para a presença da graça de Deus, Ele se achegará e tomará assento, pois esse é o desejo de Seu coração.

Em seguida, há no salmo uma terceira parte, na qual se faz uma petição pelas bênçãos da presença de Deus aos Seus ministros, Seus fiéis e ao rei que se assenta no trono (v. 09-10). De alguma forma, a vinda do Senhor para Seu Templo é ao mesmo tempo entendida como Sua vinda para o meio de Seu povo, para abençoa-los. Mas ao mesmo tempo, se faz uma exortação velada: Embora o Senhor tenha feito promessas a Davi e a Sua descendência, e tenha escolhido Sião como o lugar de Sua morada, as bênçãos prometidas exigiriam a fidelidade à Sua aliança (v 12). É preciso que eles tenham disposição de permanecer junto ao Senhor, ouvindo Seus testemunhos enviados através de Seus profetas.  Os versos 13-18 seguem como uma resposta de Deus às petições apresentadas e refletem as graças alcançadas pela Sua presença recebida no meio de Seu povo: Se entende que é tão somente pela boa disposição de Deus que Ele escolhe morar com Seu povo, não para ser Ele mesmo agraciado, ou para se impor de forma inquisidora, mas para eleva-los plenamente. As bênçãos citadas nos versos se estendem desde a provisão das necessidades materiais de pão para os pobres, até as graças espirituais da salvação, da alegria, da exultação e das vitórias sobre as forças contrárias que se insurgem contra eles. A lição é que a presença de Deus sempre será uma fonte de bênçãos.

II


Talvez a maior lição deste salmo seja a de que Deus jamais esquece suas promessas. Não importa o tempo e as impossibilidade humanas, Aquele que não mente, certo cumprirá Sua palavra falada. No caso, depois de muitos anos, diante de todas as artimanhas das trevas que buscaram impedir o cumprimento das promessas a Davi, Jesus, o Filho de Davi, nasceu para que se realizassem as palavras de Deus. E pela nossa filiação em Cristo, somos parte de Sua família, e somos da mesma linhagem; e por isso, somos também herdeiros de Seu trono. A promessa hoje é para todos que a Ele servem: Aquele que vencer se assentará com Ele em Seu trono (Ap 3:21). De fato, Ele está comprometido com a caminhada de Seu povo que sofre mas prossegue em sua jornada de fé.  Mas o salmo também ensina que para se ter a presença de Deus em nossa vida ou mesmo em nossa nação, devemos não só desejar isso, como também nos dispor a agir em direção a isso. Como dito acerca Davi, não deveríamos descansar enquanto nossos olhos e nosso coração perceberem que a nossa busca humana se nivela apenas no plano horizontal, com foco nas coisas desta vida, relegando a Deus um segundo lugar, ou como quase sempre ocorre, a uma situação de desprezo e esquecimento. É preciso agir para superar tudo isso. E considerando essa ideia, o salmo também nos ensina que no processo de trazermos Deus para mais perto, devemos fazê-lo em uma experiência de aliança para com Ele, e uma aliança pede compromisso de amá-Lo e de ouvir o "testemunho que [Ele nos] ensinar" (v 12). Desse modo, não se ignora que seja necessário uma dedicação de nosso tempo para uma comunicação efetiva e íntima com Ele por meio de Sua Palavra.

E retornando à lição aprendida por Lutero: Aprendo que mesmo desejando que nós mesmos manifestemos o desejo de que Ele habite próximo de nós e também conosco, esse desejo já é desde o começo, algo próprio de Deus. Ele mesmo, por Sua livre-iniciativa, escolheu estar conosco e nos abençoar, eis o que nos diz o salmo (v 13-14. O que Ele espera de nós, ao que me parece, é apenas um desejo que corresponda ao gesto soberano de Sua graça que nunca força, nem se impõe ditatorialmente, mas que de forma bondosa se aproxima, convida, se oferta e espera. Noutras palavras, devemos apenas pedir, esperar e agir em resposta a Sua amizade.

III


Como Lutero, podemos encontrar o Senhor. Nas pequenas coisas da vida, podemos ver sinais de Sua graça. Mas pela Sua palavra escrita, entendemos que Ele mesmo se aproxima de nós e nos faz as mais belas promessas. Diante disso, que hoje, em meio a tantos interesses e buscas, nosso coração corresponda ao desejo de Deus, e que não fiquemos em atitude de descanso se percebermos o Senhor em posição de desprezo e abandono. Que tomemos iniciativas de dar a Ele um lugar privilegiado em nosso coração e existência. E esse lugar privilegiado deveria ser, de todos os modos, o de primeiro lugar; um lugar que O coloque sobre todas as coisas, como o preferido de nossa alma e de nosso coração. Aquele que é chamado nas Escrituras de "o Primeiro e o Último", deveria ser assim também apreciado em nosso coração e mente. Assim fazendo, é certo que seremos ricamente abençoados, a cada romper de novo dia. - (Claudio Sampaio).


cite a fonte
http://pastorclaudiosampaio.blogspot.com.br

7 comentários:

  1. Explicação abençoada...

    ResponderExcluir
  2. Tive o sonho onde suplicava para Deus minha salvação e da minha familia desde ai a respinga de Deus .

    ResponderExcluir
  3. Bela explicação, como Deus é Lindo!!

    ResponderExcluir
  4. simplesmente maravilhoso eu percebo que através de minha doação afetiva a Deus mas dele eu vou receber.. e creio que Deus ele vai honra a minha fé e a sinceridade de meu coração

    ResponderExcluir
  5. Excelente texto! Que Deus abençoe e obrigado por disponibilizar essa mensagem, me foi muito útil no estudo do salmo.

    ResponderExcluir
  6. Muito bom mesmo gostei.
    Eu estava orando a Deus, estava muito angustiado, desanimado, ai então foi que Deus me mostrou esse salmo^_^, maravilhoso, e então Deus me fez aprofundar mais pra que eu saiba que oque eu tava lendo , era aquilo mesmo.


    Deus é maravilhoso


    Peu pude aprender muito, valeu meu parça

    ResponderExcluir

Sua opinião é importante para mim. O que você pode acrescentar? Entretanto, observe:

1. Os comentários devem ser de acordo com o assunto do post.
2. Avalie, pergunte, elogie ou critique. Mas respeite a ética cristã: sem ataques pessoais, ofensas e palavrões.
3. Comentários anônimos não serão publicados. Crie algum nome de improviso para assinar o escrito, caso não queira se identificar.
4. Links de promoção de empresas e sites serão deletados.
5. Talvez seu comentário não seja respondido imediatamente
6. Obrigado pela participação.