Header Ads

O Chamado da Sabedoria: A Voz de Deus nas Ruas



Você já percebeu quanta gente gosta de ser ouvida em suas ideias, com suas propostas e filosofias em resposta aos dilemas da humanidade? Quem duvida da pretensa sabedoria humana leia O Capital, de Karl Marx. Ouça um discurso de Fidel castro. Sobre esse último, tem sido dito que um discurso dele na ONU durou 4 horas e 29 minutos. Mas hoje se sabe que apesar de suas boas intenções, muito do que esses homens acreditavam e ensinaram (como a antipatia pelo cristianismo), era danoso e não trouxe uma resposta adequada para os povos. A base de seu fracasso foi, de fato, não entender o verdadeiro problema humano (o pecado), e se indispor contra a Palavra de Deus. Não se pode negar que os homens são tolos quando constroem um conhecimento longe de Deus. Por isso, cuidado com o que você anda lendo ou escutando. As mais aplaudidas ideias podem ser grandes tolices, se estão alienadas do Criador. A verdadeira sabedoria provém dEle e promove o bem do ser humano. Essa é a tônica de Provérbios 8.

Desde muito tempo tem se entendido que a Sabedoria deste texto foi encarnada em Jesus Cristo. Metade do capítulo ela se apresenta como aquela que estava no início de tudo, como uma arquiteta da criação, ao lado de Deus (v 22-30). É claro que o texto em sua totalidade não é personificado em Jesus Cristo. Jesus Cristo não é a Sabedoria em si, Ele transcende a ela, mas a personifica, pois é nEle que está oculta toda fonte de sabedoria e de conhecimento divino. Ele é a máxima revelação de Deus, é nEle que a origem e propósito do ser humano se revela em toda a sua dimensão.

Adam Clarke, em seu Comentário La Santa Biblia, vol. II, pag. 135 afirma que neste capítulo, a Sabedoria apresenta um duplo ponto de vista: é a capacidade de “julgar retamente incluindo o conhecimento das coisas divinas” e “como atributo de Deus manifestado nas diversas e assombrosas obras da Criação”. Por isso, pode-se dizer que a verdadeira Sabedoria não é uma ideia ou sistema filosófico, mas sim uma revelação divina, é a própria voz de Deus, que busca abençoar a todos que queiram ouvi-la. 

Onde encontra a Sabedoria divina? A primeira coisa que o texto diz é que a Sabedoria divina está em todas as partes, clamando e ensinando: nas alturas, à beira do caminho, juntos às portas, na entrada da cidade, em todos os lugares ela clama e faz ouvir sua voz (v 1- 4). Veja que clamar não é sussurrar. Clamar é gritar bem alto, para que todos ouçam. E de fato, a voz divina está em todos os lugares e grita a todos os homens, afim de que ninguém afirme a impossibilidade de ouvir o seu apelo. Ela deseja que todos entendam seu discurso. 

Note que a Sabedoria divina não está presa a nenhum sistema filosófico. Ela permeia a vasta criação de Deus e desde o céu até as coisas corriqueiras da vida, a Sabedoria divina busca trazer o bom ensino de Deus para os homens. Qualquer um que contemplar os eventos do dia-a-dia, a passagem da vida, as obras criadas – em tudo terá noção da verdade que ela busca ensinar. Seus ensinos valem mais do que as riquezas e tudo aquilo que é desejável (v 11). Essa voz de Deus está em toda parte, mas de forma mais clara, ela se acha nos ensinos das Escrituras. Onde há pregação da Palavra de Deus ou o estudo contemplativo, a Sabedoria de Deus está presente. 

O que a Sabedoria divina ensina que vale tanto assim? O texto fala de coisas muito raras e que pela sua falta, muito se tem sofrido nesse mundo: Ela traz a prudência, retidão, excelência, verdade, e confronta toda forma de impiedade (v 5-9). Ela dispõe de conhecimento e bons conselhos (v 12). Ela é quem dá o sustento aos reis e governos (v 15). Ela ensina o caminho para ser honrado e adquirir ganhos (v 18). Por isso, ela pode dizer que o seu fruto é melhor do que as riquezas mundanas. Através da justiça e do discernimento, a Sabedoria divina dota de bens e enche de tesouros aqueles que a amam (v 20-21). Acima de tudo, ela traz salvação. A sua voz, clamando alto nas ruas e em todos os lugares é a própria voz de Deus chamando a todos, a tolos ou simples, para serem amparados por ela. Deus ama a todos e quer o seu bem.

Mas o conhecimento de Deus tem efeitos práticos. Isso está evidente na experiência de Salomão. Quando em sonhos o Senhor lhe perguntou o que seu coração mais desejava, ele pediu Sabedoria. Em resposta, Deus lhe assegurou que embora não houvesse pedido riquezas e honras, tudo o mais lhe seria dado, através de um coração sábio. Esse respeito a Deus, e sua sede de conhece-Lo em seus anos inaugurais com líder da nação, fez de Salomão o homem mais afamado da Terra. Te pergunto, meu amigo: Isso não pode ser possível hoje? Quem possui a Sabedoria divina e age dentro dos limites estabelecidos por Deus terá sempre habilidade para lidar com todas as áreas da vida. Eu creio!

Se a Sabedoria divina é tão profunda e traz tanta benção, porque tantos homens rejeitam? Uma resposta pode ser porque como o texto mesmo diz, ela confronta a impiedade humana (v 9). Ninguém gosta de ser repreendido. A Bíblia, que condensa a Sabedoria divina, quando estudada, às vezes repreende (1Tm 3:16).  Jesus repreende a quantos ama (Ap 3:19). O caminho do tolo é sempre confrontado pela luz que a Sabedoria divina traz. Quando a Sabedoria de Deus era anunciada por Paulo, ele mesmo disse que os homens preferiram a sabedoria humana a aceitar a que vem de Deus, porque para muitos, as coisas de Deus parecem loucuras. Quantas loucuras um cristão sincero faz para Deus em amor pela sua palavra!

Mas o sábio nos diz claramente para onde a Sabedoria divina quer nos levar. Isso demonstra também qual a essência da Sabedoria que vem de Deus: ela conduz ao temor de Deus (v 13). O que a vida, todas as obras criadas, os ajuntamentos dos sábios e tudo o mais devem ensinar e conduzir a mente dos homens é a um julgamento se realmente optaram por viver sob a orientação de Deus ou não. Viver em temor a Deus é sábia atitude. Viver sem respeito ao Criador é tolice. Nesse sentido, a Torah, os princípios oriundos da Palavra escrita de Deus sempre nos ajudará a decodificar, interpretar todas a nossas experiências e julga-las se de fato o que estamos aprendendo a viver de forma a agradar a Deus. O maior sábio deste mundo é um tolo, se a sua sabedoria não conduz a uma vida submissa a Deus.

A pergunta que o texto evoca é se amamos de fato a Sabedoria divina ou somos apegados a nossos próprios conceitos de vida. Ser sábio perante Deus é ter disposição para ouvi-Lo e praticar seus ensinos. Curiosamente, há muitos que amam uma vida presa à sua vaidade. Escolhem o erro mesmo sabendo que estão errados. Por isso, o texto termina aconselhando sobre os riscos para quem se negar a ouvir a Sabedoria de Deus: quem pecar contra o seu ensino fará mal a si mesmo, violentará a própria alma e finalmente, entrará por um caminho de morte. De fato, nada do que se constrói sem a aprovação de Deus nesta vida, terminará bem. Sejam negócios, casamentos, vocações, tudo um dia findará em fracasso, tragédias, lágrimas e morte. Além disso, uma vida construída apenas nos padrões humanistas terá como consequência final a morte eterna.

O conselho e apelo de hoje é: Quer ser feliz? Não fuja dos retos conselhos de Deus. Não fuja dos bons exemplos que a vida oferece. Aceite o chamado da Sabedoria divina, porque como diz o próprio texto, felizes serão aqueles que guardarem os seus caminhos.

Bom dia com muita alegria! - Claudio Sampaio - MoC



http://pastorclaudiosampaio.blogspot.com

Nenhum comentário

Sua opinião é importante para mim. O que você pode acrescentar? Entretanto, observe:

1. Os comentários devem ser de acordo com o assunto do post.
2. Avalie, pergunte, elogie ou critique. Mas respeite a ética cristã: sem ataques pessoais, ofensas e palavrões.
3. Comentários anônimos não serão publicados. Crie algum nome de improviso para assinar o escrito, caso não queira se identificar.
4. Links de promoção de empresas e sites serão deletados.
5. Talvez seu comentário não seja respondido imediatamente
6. Obrigado pela participação.