Header Ads

Sobre o Uso do Vinho na Bíblia



Não se pode negar que no período bíblico o vinho fosse usado francamente nas terras de israel, tanto o fermentado quanto o puro, não-fermentado. Havia também a "bebida forte", nome para outras na mesma categoria do vinho fermentado, feitas a base de cereais fermentados, e que eram consumidas em ocasiões festivas. Mas por outro lado, a Bíblia vedava essas bebidas aos sacerdotes em seu ofício e aos nazireus (Lv 10:8-10; Nm 6:2-4). Em Prov. 31, se inclui o perfil do rei. Aqui, o conselho de uma mãe é que o seu filho, o rei Lemuel, não faça uso do vinho, para que sua mente fique desperta, a fim de tomar decisões sábias e ponderadas (v. 1-7). Na perspectiva da bíblia, o vinho tira o entendimento (Os 4:11). Por essa razão, as pessoas que recebiam a unção e eram consagradas não deveriam fazer uso dessas bebidas. Jesus mesmo deu um exemplo, quando no auge de sua tentação, a fim de manter a mente desperta e resistir às insinuações do diabo, não quis tomar do narcótico feito a base de vinho (Mc 15:23:).

Sobre o uso terapêutico do vinho fermentado,esse parece ser o único modo adequado para o cristão. Jesus contou a parábola do Samaritano que derramou vinho sobre as feridas do homem caído à beira do caminho (Lc 10:34). Paulo aconselhou a Timóteo que ingerisse o vinho misturado na água, para os males do estômago (1Tm 5:23). A mãe do rei Lemuel aconselha seu filho a deixar o uso do vinho para fins terapêuticos, para as pessoas condenadas, que precisam de anestésico, seja pelas dores de alguma enfermidade mortal, ou para enfrentar as dores de alguma condenação legal (Pv 31:6-7). No caso, como se deu com Jesus na cruz, esse uso, de fato, era praticado (Mc 15:23).

A parte disso, a Bíblia sempre coloca o vinho fermentado como um perigo para o fiel.  Ana foi repreendida quando parecia embriagada (1Sm 1:14-15). Há esquecimento e perversão da lei para os que dele fazem uso (Pv 31:5). Paulo diz para não embriagar com vinho, pois nela há "dissolução" (Ef 5:18). Pedro cita a embriaguez como um pecado condenável que faz parte do comportamento dos incrédulos (1Pe 4:3).  O sábio diz que na taça de vinho há uma serpente pronta a atacar (Pv 23:31-32). Quem usa do vinho nunca vai prosperar (Pv 21:17). E ainda: "O vinho é escarnecedor, a bebida forte alvoroçadora; e todo aquele que neles errar nunca será sábio" (Pv 20:1).

Na maioria dos textos há condenação ao excesso. Em vista disso, na atualidade, com essa profusão de bebidas no mercado, e com diversos textos que dão certa abertura para a defesa do consumo moderado do vinho fermentado, os defensores dessa prática se esquecem de duas coisas elementares:

1. Não há registro de nenhum benefício sobre queles que foram influenciados pelo seu uso indiscriminado. Pelo contrário, há pessoas como Noé (Gn 9:20-24), que sofreram vergonha sob os efeitos do vinho, e ainda como os filhos de Arão, que sob efeito de bebida fizeram tolices no Santuário e foram condenados por Deus, devorados pelo fogo (Nm 26:21). 
2. Na atualidade há o consenso de que as bebidas alcoólicas causam grande prejuízo, haja vista os estragos nos relacionamentos, na saúde e no alto índice de desastres automobilísticos, acidentes de trabalho e gravidez indesejada. Há consenso até da parte de incrédulos, de que a melhor forma de lidar com o uso do álcool, é evitando o primeiro gole.

Jesus transformou água em vinho, obviamente (Cf. Jo 2:1-11). Mas não consta que ele tenha bebido de vinho fermentado, ou mesmo que o vinho feito por ele, na festa, fosse fermentado. Pela conduta sábia de Jesus em seus dias na carne, e pelo seu discernimento na correta aplicação da Lei, o que se pode inferir é que ele não colaboraria para a embriaguez, servindo bebida forte em uma festa prolongada como a de um casamento israelita. O vinho excelente, que tanta admiração causou entre os convivas, com muita probabilidade, seria um vinho puro.

Para nós cristãos, isso é altamente revelador. Devemos nos negar a excessos em tudo. E nalguns casos como este do álcool, o melhor é nem tocar, não dar início a um processo aberto a possibilidades destrutivas. Além disso, a abstinência nos dará condições morais para manifestar nossa posição contra seu uso indiscriminado. E evitando o consumo, também nos manifestamos contrário essa indústria e comércio que tantos danos já causou.

Recomendação? Use o vinho puro, o suco de uva não-fermentado. Deixe o uso do álcool para seus fins medicinais. No mais, o melhor é deixá-lo. E como o sábio recomenda em Provérbios, fugir dele como se foge de uma serpente enroscada. - Claudio Sampaio - MoC.

Nenhum comentário

Sua opinião é importante para mim. O que você pode acrescentar? Entretanto, observe:

1. Os comentários devem ser de acordo com o assunto do post.
2. Avalie, pergunte, elogie ou critique. Mas respeite a ética cristã: sem ataques pessoais, ofensas e palavrões.
3. Comentários anônimos não serão publicados. Crie algum nome de improviso para assinar o escrito, caso não queira se identificar.
4. Links de promoção de empresas e sites serão deletados.
5. Talvez seu comentário não seja respondido imediatamente
6. Obrigado pela participação.