Header Ads

Poderia a mulher adventista fazer uso de calça comprida? uma análise com base na Bíblia e nos Testemunhos




CALÇAS COMPRIDAS PARA MULHERES?

Compilação enviada por John C. Witcombe
Administrador, Yuchi Pines Institute,
Seale, Alabama, E.U.A.
29 de março de l982.


Terno para mulheres altas


"Nenhuma oportunidade deveria ser dada aos descrentes para reprovar nossa fé. Nós somos considerados peculiares e singulares, e não deveríamos tomar um curso que levará aos descrentes pensarem de nós, mais do que nossa fé requer que sejamos." 1T. 456.


"Não devem os cristãos se esmerarem por se tornarem objeto de admiração vestindo-se diferentemente do mundo. Mas se, ao seguirem sua convicção do dever quanto a se vestirem modesta e saudavelmente, verificam estar fora de moda, não devem mudar seu traje para serem semelhantes ao mundo; antes devem manifestar nobre independência e coragem moral para andar corretamente ainda que todo mundo deles discorde. Caso o mundo introduza uma moda (1) modesta, (2) conveniente, e (3) saudável no vestir, que esteja (4) de acordo com a Bíblia, não mudará nossa relação com Deus ou para com o mundo adotar tal estilo de roupa". 1T. 458, 459. (citado em Orientação da Criança, pág. 414).

Questão – pode um estilo feminino de calças compridas para mulheres, se enquadrar dentro dos quatro princípios do vestuário?

Os princípios orientativos da reforma do vestuário são:

1. Modéstia. Modéstia é um termo relativo. O que é imodesto numa época no mundo e ou cultura, não será em outra época ou cultura. Por exemplo:


1. Os gorros pequenos, expondo o rosto e a cabeça, demonstra numa falta de modéstia". 1T. 186.


2. Nos dias bíblicos, não usar um véu sobre o rosto era considerado imodesto.


A violação destes dois costumes não seria considerado imodéstia hoje.


Atribuindo um significado bastante amplo à palavra modéstia, nós poderemos concluir os seguintes conceitos:


1. Vestir-se modestamente seria usar roupas apropriadas para o tempo e cultura onde vivemos.

"Vistam-se as nossas irmãs com simplicidade, como muitas fazem, tendo as vestes de material bom e durável, apropriado para esta época, e não permitam que a questão do vestuário lhes encha a mente". The Story of Our Health Message, 146. (Orient. Criança pág. 414).


"Não devemos julgar ser nosso dever usar uma roupa de peregrino justamente de tal cor, justamente de tal formato, mas vestes asseadas e modestas que a Palavra inspirada nos ensina dever usar... Nada será colocado sobre a pessoa para atrair a atenção ou criar controvérsia". Testemunhos para Ministros e Obreiros Evangélicos, pág. 130, 131.


Teria sido imodesto para sido imodesto para Jesus vestir-se como um homem do século 20. Semelhantemente seria imodesto para alguém agora, usar roupa como Jesus usava.


2. A modéstia pode incluir o pensamento de não ser o primeiro a adotar uma moda nova apropriada e nem o último a adotá-la.


3. A modéstia excluiria o uso do que é sensual, ou o vestuário de estilo masculino, e aquilo que atrai a atenção para si mesmo.


4. Pode ser considerado imodesto usar vestuário que não é apropriado para a ocasião. Por exemplo: jardinar vestida de saia.


O vestuário modesto exclui o vestir-se enlameado, deselegantemente e em cores descombinadas.


2 . Confortável. Vestir-se para proporcionar o mínimo de limitação adaptar-se à atividade em que está envolvido, desde que não viole os quatro princípios da reforma do vestuário.

"Um vestido mais curto que isto seria apropriado, conveniente e saudável para as mulheres, quando fazem seu trabalho doméstico, e especialmente para as que são obrigadas a fazer algum trabalho ao ar livre." 1T. 461. ( M. E. II, pág. 478). (obs: os vestidos eram demasiado longos naqueles dias. Isso contraria a proposta de que Ellen White definiu o cumprimento para as roupas. Ela apenas encurtou um pouco, a fim de que a roupa ficasse adequada para as mulheres de seus dias.


3. Saudável. "Seja qual for o comprimento do vestido, devem as mulheres vestir seus membros tão cabalmente como os homens. Isto se pode fazer usando calcas forradas, terminada num cadarço preso aos tornozelos, ou calças amplas, estreitando para os pés; e estas devem ser bastante compridas para irem até os sapatos. Os membros e pés assim vestidos são protegidos contra as correntes de ar. Se as pernas e os pés são conservados cômodos, com agasalho quente, a circulação será uniforme e o sangue permanecerá sadio e puro, porque não é esfriado nem impedido em sua passagem natural através do organismo." 1T. 461. (M.E. II, 479).

"O feitio não deve ser apertado de modo algum..." 1T. 460.


4. Em conformidade com a Bíblia. "A mulher não usará roupa de homem, nem o homem veste peculiar à mulher; porque qualquer que faz tais coisas, é abominável ao Senhor Teu Deus". Deut. 22:5.

Historicamente, quando este conselho foi dado, ambos os sexos vestiam uma túnica, um tipo de roupão único. Aparentemente havia traços femininos na túnica usada pelas mulheres e traços masculinos na túnica usada pelos homens. Através dos anos, diferentes culturas adotaram estilos diferentes de roupa, embora houvesse sempre característica feminina e característica masculina, dentro do vestuário de cada época e cultura. Hoje em nossa cultura ocidental adoramos um estilo de vestuário que cobre cada um dos quatro membros individualmente, em vez de utilizar um formato de túnica. Mas precisamente nos dias bíblicos quando homens e mulheres vestiam-se da mesma forma, diferenciando com características femininas e masculinas, hoje, a vestimenta deve reter a distinção feminina e masculina, embora o mesmo formato cubra os membros individualmente e seja usado por ambos os sexos. (obs: a roupa de José, em Gn 37:3 é a mesma para Tamar, filha de Davi, em 2Sm 13:18, se diferenciando talvez por detalhes característicos de cada sexo).


Para uma mulher ter usado calças compridas há 100 anos, teria sido exatamente errado para um homem ter usado calças compridas há 1000 anos. A cultura mudou e cada um deve vestir-se apropriadamente para sua época.

Ninguém encontrará conselho algum relativo a calças compridas para mulheres no Espírito de Profecia, visto que elas não eram totalmente apropriadas na cultura de 1800. Uma roupa própria para aquela época específica, é apesar de tudo, discutida junto a princípios infinitos que podem ser aplicados em todas as épocas e culturas.


Nossa sociedade tem mudado para onde calças compridas apropriadas para mulheres não são consideradas masculinas ou exclusivamente roupa de homem, não somente na cultura ocidental mas também na subcultura da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Um estilo apropriado de calças compridas para mulheres deve incluir todos os quatro princípios.


1. Elas não devem ser apertadas por razões de modéstia e saúde.


2. Elas não devem ser masculinas por razões bíblicas, que podem excluir certos de jeans usados mais comumente por homens.


3. Elas devem ser exclusivamente femininas.

 Em matéria de camisas, homens e mulheres hoje usam o mesmo formato, ou seja, os braços são separadamente vestidos em vez de serem vestidos por um roupão ou túnica. Isto não é considerado violação de Deuteronômio 22:5, porque isto é culturalmente aceitável. Mulheres devem usar camisas femininas e homens camisas masculinas. O mesmo é verdade em usar calças compridas, sapatos ou chapéus.

Em 1800 a reforma do vestuário era um infortúnio para muitas mulheres, pois a moda na época em violação do 2º princípio: confortável, e o 3º princípio: saudável. Nós devemos em todas as culturas e épocas conformarmo-nos com os quatro princípios indiferentemente da moda. Por esta razão a reforma do vestuário distinguir-nos-ia do mundo, algumas vezes mais, outras vezes menos. Em 1960, quando as mini-saias estavam na moda, uma roupa que satisfazia os quatro princípios, teria sido uma marca distinta para o cristão do que vestir-se em meio às modas de 1980.

Se alguém for somente à Bíblia para descobrir exatamente o que usar, pode adotar um casaco com muitas cores como José usava ou uma túnica como a de Jesus ou talvez uma manta (capa) como a de Elias; ainda um véu sobre o rosto como Rebeca usava, ou porventura um vestido de pêlo de camelo como João Batista usava.

Se alguém for somente ao Espírito de Profecia (escritos de Ellen White) para descobrir exatamente o que usar, talvez usaria só um vestido de 9 polegadas do chão, com calças por baixo, ou então um vestido de 3 ou 4 polegadas do chão. Freqüentemente princípios só podem ser rebuscados de livros em épocas ou culturas passada.

Padrões exatos nem sempre pode ser seguidos. "Alguns têm suposto que o mesmo padrão dado, fosse o padrão que todos devessem adotar. Isto não é assim... Nenhum estilo preciso foi-me dado como regra exata para orientar a todos na sua maneira de vestir". The History of Our Health Message, 145. (Orientação da Criança, 419).

"Deus quer que todos nós tenhamos bom senso, e deseja que raciocinemos movidos pelo senso comum. As circunstâncias alteram as condições. As circunstâncias modificam as relações das coisas". M. E. III, 217.

Usar calças compridas apropriadas equivalem a usar o "Costume Americano" do fim de 1800? (obs: Costume é um termo que se aplica ao que caracterizamos hoje como Ternos)

Alguns mencionarão das seguintes citações, que o objetivo principal contra o uso do "Costume Americano" era o fato de que destruiria a influência para com o mundo e igualaria ao movimento feminista e espiritualistas. Também o vestuário era designado a diminuir a distinção de roupa entre os sexos por adotar características masculinas.

"Adotem as irmãs o "Costume Americano" e elas destruiriam sua própria influência e a de seus esposos. Elas se tornariam ridículas e motivo de escárnio". 1T. 422.

"Alguns que crêem na verdade podem pensar que seria mais saudável para as irmãs adotarem o "Costume Americano", entretanto se aquele modo de vestir invalidaria nossa influência entre os descrentes, de modo que nós não poderíamos então de bom grado ganhar acesso a eles, de maneira alguma devemos adotá-lo, ainda assim sofremos muito em conseqüência". 1T. 456, 457.

"Aqueles que se sentem chamados a participarem do movimento em favor dos direitos da mulher, a então chamada reforma do vestuário, devem separar toda conexão com a terceira mensagem angélica. O espírito que assiste um, não pode estar em harmonia com ou outro. As Escrituras estão plenamente a favor das relações e direitos dos homens e mulheres. Espiritualistas têm em grande extensão, adotado este modo de vestir. Adventistas do Sétimo Dia, que crêem na restauração dos dons, são freqüentemente estigmatizados de espiritualistas. Adotem esta indumentária, e sua influência está morta". 1T. 457.

"Imitam o Sexo oposto o mais possível. Usam casquete, calças, colete, casaco e botas, sendo esta a peça mais sensata do traje". 1T. 459, (M. E. II, 477). (obs: ao que parece, a busca destas mulheres era imitar o sexo oposto).

Em nossa cultura hoje, apropriadas calças femininas tirariam a mesma resposta de homens e mulheres sensatos como o "Costume Americano" fez em 1800?

"Deus quer que todos nós tenhamos bom senso, e deseja que raciocinemos movidos pelo senso comum. As circunstâncias alteram as condições. As circunstâncias modificam a relação das coisas". M. E. III, 217.



DECLARAÇÕES PERTINENTES AO ASSUNTO DE VESTIR-SE APROPRIADAMENTE:

"Segundo uma classe que falta com o bom gosto e ordem no vestir, têm tomado vantagem do que eu tenho escrito, e ido ao oposto extremo; considerando que eles estavam livres do orgulho, desprezavam aqueles que vestiam-se asseadamente e ordenadamente como sendo orgulhosos. Esquisitice e descuido em vestir-se era considerado por alguns como uma especial virtude. Tais tomam um curso que destrói sua influência sobre os descrentes. Eles desagradam àqueles que poderiam beneficiar". 1T. 275.

"O vestuário e seu arranjo na pessoa, são geralmente considerados o índice do homem ou da mulher". M. E. II, 475.


"Sempre é direito estar asseado e bem vestido, de um modo próprio de sua idade e posição de vida". Orientação da Criança, pág. 425.


"...Nosso vestuário deve recomendar-nos ao juízo de mentes sinceras". 2T. 66.


"Nós devemos ser mais cautelosos em não avançar tão rapidamente, para que não sejamos obrigados a retroceder em nossos passos. Em reformas, nós deveríamos vir em passos curtos, do que ir mais longe. E se há erro, fiquemos do lado mais próximo do povo". 3T. 21.

"Aqueles que advogam a verdade impopular, devem ser mais consistentes em sua vida, devem ser extremamente cuidadosos para evitar todo tipo de extremos. Eles não devem trabalhar para ver quão longe podem ir em sua posição de outros homens; mas, por outro lado, vejam quão perto podem vir àqueles que desejam reformar, assim eles podem ajudá-los para a posição que eles mesmos tão altamente apreciam. Se se sentirem assim, perseguirão um caminho que os recomendará à verdade que advogam, ao bom juízo de homens e mulheres sensíveis. Estes serão compelidos a confessar que há uma harmonia no assunto da reforma de saúde". 2T. 378.

"Há uma consciência que tudo leva a extremos, tornando os deveres cristãos tão molestos como os judeus tornavam a observância do sábado". M. E. II, 319.


"O desejo e plano de Satanás é introduzir entre nós as pessoas que vão a grandes extremos; pessoas de mente estreita, críticas e incisivas e muito tenazes em sustentar seus próprios conceitos sobre o que é a verdade. Serão muito exigentes e buscarão impor deveres rigorosos, exagerando muitos assuntos de somenos importância ao passo que descuidam matéria de mais peso da lei – o juízo, a misericórdia e o amor de Deus." Evangelismo, 212.


"Há na natureza humana uma tendência de ir de um extremo a outro inteiramente oposto. Muitos são fanáticos. São consumidos por um zelo abrasador que é mal interpretado como religião, mas o caráter é a verdadeira prova do discipulado. Têm eles a mesma humildade de Cristo?" 5T. 305.


"Alguns estavam grandemente perturbados porque eu não fiz do vestuário uma questão de prova e ainda outros porque eu adverti àquelas que tinham esposos descrentes ou filhos, a não adotarem a reforma do vestuário, pois pode levá-las à infelicidade, que contraporia a todo bem derivado de seu uso". 4T. 637.


"Há um meio termo nestas coisas. Oh, que nós todos possamos sabiamente encontrar essa posição e preservá-la. Neste tempo solene, todos esquadrinhemos o próprio coração, arrependamo-nos de nossos pecados e humilhemo-nos diante de Deus. O trabalho está entre Deus e nossas próprias almas. É um trabalho individual e todos terão suficiente para fazê-lo sem criticar, ações e motivos de seus irmãos e irmãs." 1T. 426.

"Os que amam e servem a Deus devem ser deixados seguir suas próprias convicções. Talvez nós não sintamos justificados procedendo como eles, mas não devemos permitir que diferenças de opiniões criem desuniões." Cons. S. Regime Alimentar, pág. 352.


"Não incentiveis uma classe que centraliza sua religião no vestuário. Cada um estude os claros ensinos das Escrituras quanto à simplicidade e singeleza do vestuário, pela fiel obediência a esses ensinos se esforce para dar digno exemplo ao mundo e aos novos na fé. Deus não quer que nenhuma pessoa seja consciência para outra. Falai do amor e da humildade de Jesus, mas não animeis os irmãos e irmãs a se empenharem em achar falhas no vestuário ou aparência uns dos outros. Alguns se deleitam nesse trabalho. E quando seu espírito se volta nessa direção, começam a achar que se devem tornar palmatórias da igreja. Sobem à cátedra de juízes e logo que vêm um de seus irmãos e irmãs, procuram algo para criticar. É este um de seus mais eficientes meios de se tornar de espírito acanhado e de impedir o crescimento espiritual. Deus quer que desçam da cadeira de juiz, pois ali nunca os colocou". O. C. 429.

John C. Witcombe
Tradução: Pr. Cláudio Giron
Edição: Cláudio Sampaio.

Fim

Nossa Página:
pastorclaudiosampaio.blogspot.com

5 comentários:

  1. Mas vc falou e falou mais anda não entendi as mulheres adiventistas podem ou não podem usar caiça no seu dia-a-dia?

    ResponderExcluir
  2. Acho que a resposta está aqui bem no começo, meu bom amigo Anônimo:

    "Caso o mundo introduza uma moda (1) modesta, (2) conveniente, e (3) saudável no vestir, que esteja (4) de acordo com a Bíblia, não mudará nossa relação com Deus ou para com o mundo adotar tal estilo de roupa". 1Testimonies, 458, 459. (citado em Orientação da Criança, pág. 414)."

    Abraço. Volte a comentar.

    ResponderExcluir
  3. Ronival Gonçalvesnovembro 17, 2014

    Pastor Cláudio Sampaio! Me parece que você, mais uma vez, rodeou e "não deu nomes aos bois"! Esse texto acima, do Espírito de Profecia, não autoriza, definitivamente, o uso da calça comprida feminina! Essa tem sido a política dos pastores adventistas (digo como adventista que sou); ou seja, tratar a questão com indulgência, não dando a ela a consideração devida e, mesmo, incentivando as mulheres a usar uma peça de roupa claramente condenada pela Bíblia, como sendo "roupa de homem". Sem falar que nossas irmãs estão usando calças que as fazem chamar mais atenção do que se andassem nuas! A calça é imprópria para as mulheres adventistas não apenas por revelar suas intimidades, mas pelo que ela simboliza. Um pensador capaz verá na calça feminina um símbolo da rebeldia da mulher às disposições divinas; pois, foi essa a ideia original da sua criadora. Por outro lado, não seria de estranhar que a ideia de calça comprida tenha vindo do próprio diabo, visto que as mulheres americanas que impuseram essa moda tinham fortes convicções espíritas! Creio que já passou da hora de resolver essa questão com um "assim diz o Senhor"! A calça comprida não é um vestuário para a mulher, seja qual for o estilo da peça! Em casa, pode ser usada quando algum trabalho doméstico assim o exigir. Mas não deve ser usada como roupa social (em casa ou na rua). Fazer isso é quebrar todos os princípios de modéstia cristã e desobedecer ao claro mandamento do Senhor, a respeito! Se quiser ser coerente com a Verdade, diga a essas mulheres que precisam abandonar o uso da calça feminina. Ela não é modesta (pelo contrário!, revela a rebeldia e a vaidade feminina); ela não é conveniente (expõe a anatomia feminina); ela não é saudável (pode provocar sérios problemas de saúde à mulher). Que Deus o abençoe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amado Ronival

      Obrigado pelo apreço ao nosso espaço e por discutir nossas ideias.

      Agora deixe-me avaliar usas declarações.

      1) Sobre rodear e não dar nomes aos bois, eu apenas penso que vc não viu os nomes dos bois que vc gostaria. Deixo claro logo na abertura a citação da própria Ellen White que ela deu disposições sobre novos costumes que estivessem dentro dos quatro pontos estabelecidos, "Caso o mundo introduza uma moda (1) modesta, (2) conveniente, e (3) saudável no vestir, que esteja (4) de acordo com a Bíblia, não mudará nossa relação com Deus ou para com o mundo adotar tal estilo de roupa". 1Testimonies, p. 458, 459. (citado em Orientação da Criança, pág. 414). Um dos problemas em torno do tema é que temos muitos irmãos que ainda sonham que o pastor seja um militar ditador para a igreja a fim de criar uma igreja segundo o discurso humano. Outro problema é que há tantos que buscam satanizar uma peça de roupa (no caso, as calças compridas) não por terem apoio bíblico ou do Espírito de Profecia, mas por questões pessoais e particulares e convicções próprias. Nunca veremos especificações restritas para essa peça como sendo definitivas em nenhuma das fontes citadas acima. Nenhuma tentativa de "provar" que a calça deve ser proibida passa pela exegese correta. Fosse tão bem resolvido e claro, a igreja teria se posicionado há tempos.

      2) Essa perspectiva de que “calça é roupa de homem” é tão errada quanto afirmar que “saias são roupas de mulher”. Em locais em que a cultura aceita a saia como roupa de homem, isso não contraria o princípio bíblico. A Bíblia não dita o desenho de roupa para ninguém. Se hoje nos vestimos como o fazemos, com paletó, calças e etc... foi pela força da cultura. É a cultura que modifica o corte e designer das roupas. Contrário disso estaríamos vestindo como os palestinenses de mil anos atrás, ou com Ellen e Tiago White se vestiam a cerca de 150 anos atrás.. O que se dá é que de fato, é que a cultura que dita o estilo da roupa e a Bíblia dita o princípio que deve reger essa peça em questão. Nesse caso, não é a forma ou designer (calça), mas o estilo (decente ou não) que deve ser discutido. Quando reforçamos o estilo, veremos que isso vai exigir mais do que uma satanização de uma peça apenas, mas uma avaliação de todo o vestuário dos homens e das mulheres. Era isso que Ellen White e a Bíblia faziam. Aí devemos ver quais são essas calças que expõem a intimidade ou nudez e as condenemos, certo?

      (continua)

      Excluir
    2. 3) Sobre essa argumentação de que as calças vieram de espíritas, não vou discutir, embora eu saiba de outra versão. Mas se esse for o argumento válido, condenemos a aliança de casamento que em seu primeiro uso caracterizava a mulher como um objeto de posse do que a desposava. A mulher era uma escrava sexual do homem e a aliança era uma prova disso. Também não poderíamos usar a gravata, pois teria origem primordialmente pagã e sensual. Além disso, aniversários, bolos de aniversários, etc. seriam exigidos como dignos de exclusão. Não deveríamos argumentar com base nessas ideias. Nossa fonte será sempre a Bíblia. E ela mesma confirma que já existia desde os tempos bíblicos a roupa unissex: Comparando 2Sm 13:8 e Gn 37:4 veremos que determinada roupa de mulher e do homem era uma só. Assim, chegamos ao fundamento: Os argumentemos pela força do Assim diz o Senhor. Onde está este diz o Senhor que contraia o que acabo de descrever? Nunca vi, nem li.

      4) A calça entrou no vestuário pela força do uso e se tornou caracteristicamente uma peça feminina, embora haja aquelas que são masculinas. Assim como a camiseta (shirt) que no tempo antigo era uma “roupa de baixo” para o homem, mas logo depois passou a ser esportiva e foi adotada pelas mulheres.

      5) Agora olha como vc se contradiz: De inicio afirma que ela é condenável porque a Bíblia condena roupa de home para a mulher. Depois diz que pode ser usada em casa. Ou isto ou aquilo. Eu por exemplo, não acho que um homem ocidental deveria usar um vestido nem mesmo dentro de casa, pois se traduz em travestismo, o que de fato o texto de Dt 22:5 condena. Nesse caso, a mulher se usa uma calça que seja decente seja em casa ou na rua, o que ela deve se perguntar é se essa calça é feminina ou masculina, ou mesmo unissex, como as camisetas esportivas.

      6) Para terminar como vc pediu, deixo uma exortação: Que as irmãs sejam cautelosas com os estilos de roupa a serem usados, e isso inclui vestidos, saias e calças, certo? Nenhuma peça é satânica em si mesma, a não ser pelo seu estilo.

      7) Mas deixo uma exortação a nós homens que teimamos em fazer o que Ellen White condena: "Cada um estude os claros ensinos das Escrituras quanto à simplicidade e singeleza do vestuário, pela fiel obediência a esses ensinos se esforce para dar digno exemplo ao mundo e aos novos na fé. Deus não quer que nenhuma pessoa seja consciência para outra. Falai do amor e da humildade de Jesus, mas não animeis os irmãos e irmãs a se empenharem em achar falhas no vestuário ou aparência uns dos outros. Alguns se deleitam nesse trabalho. E quando seu espírito se volta nessa direção, começam a achar que se devem tornar palmatórias da igreja. Sobem à cátedra de juízes e logo que vêm um de seus irmãos e irmãs, procuram algo para criticar. É este um de seus mais eficientes meios de se tornar de espírito acanhado e de impedir o crescimento espiritual. Deus quer que desçam da cadeira de juiz, pois ali nunca os colocou". Orientação da Criança, 429.

      A graça e a paz, amigo. Volte a comentar.

      Excluir

Sua opinião é importante para mim. O que você pode acrescentar? Entretanto, observe:

1. Os comentários devem ser de acordo com o assunto do post.
2. Avalie, pergunte, elogie ou critique. Mas respeite a ética cristã: sem ataques pessoais, ofensas e palavrões.
3. Comentários anônimos não serão publicados. Crie algum nome de improviso para assinar o escrito, caso não queira se identificar.
4. Links de promoção de empresas e sites serão deletados.
5. Talvez seu comentário não seja respondido imediatamente
6. Obrigado pela participação.